Retweet

Posts Recentes

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Dimenidrinato 100 mg.

Deixa viver
deixa queimar
o dia passa
o sol aquece.
Os assaltos nas esquinas
cultura violenta
desigualdade social
sociedade desigual.
Botox
aborto
o país com mais grifes de luxo
na América latina
22 milhões de miseráveis
becos e vielas.
Trens lotados
olhares que não se cruzam
bolhas de segurança rompidas
caviar
restos de feira.
O álcool
nicotina
cafeína
benzoilmetilecgonina
euforia
disforia
violência domestica.
Strees
depressão
solidão
ansiedade
sociedade,
faz sentir algo
faz sentir vivo.
Futebol
sexo
reality show
carnaval
circo,
deixa viver
deixa queimar
deixa morrer.
Mais um dia de becos e vielas
mais um dia sem poesia
deixa viver, deixa amanhecer
logo anoitecera
dimenidrinato 100mg.
Programa evangélico de madrugada
oração
masturbação
dizimo
deus
mentiras. 

terça-feira, 16 de julho de 2013

Carolina meu sorriso.

“Seu sorriso transmite paz” ela disse
“muito obrigado” respondi
pouco empolgado
“mas seus olhos são tristes” disse mais.
Paz e tristeza
tento concluir que diabo poderia significar
melancolia
talvez.
Carolina é assim, tenta me desvendar
já avisei que não funciona
ninguém deve ousar
invadir o EU,
meu intimo é uma caverna repleta de
armadilhas.
Feliz
não lembro se um dia fui,
paz,
por vezes penso que sinto
mas logo concluo;
Era só
tédio
outra vez.
Carolina é assim, acha que consegue me ler
ingenua, não sabe que ninguém
nunca leu o livro
EU.
Beatrisie faz melhor
fala pouco, me rasga a carne
me arranha e me sangra
de mim sabe tão pouco
quanto
mas sabe que
sou puta
e me consome.

Me bate na cara com força,
fodam-se os sorrisos
me marca com os dentes.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Para a piranha parasita e outras piranhas parasitas mais.

Uma coisa que não terás jamais é minha alma,
quero dizer, podes  aparecer aqui volta e meia
e achar tens  lugar cativo ou que eu me importo
mas isso não condiz com a realidade.
Não ira sugar meu sangue, não ira beber em
um cálice de prata o meu elixir...
NADA
em ti me interessa mais.
NADA
em ti me enche os olhos.
NADA
em ti me traz lembranças felizes.
NADA
em ti me faz pensar de noite.
Não vais infestar minha poesia
com sua presença imunda
o único sentimento que restou
é essa espécie de
enjoo
misturado com
raiva.
Estou cansado de
hospedar-te
endoparasita.
Não me interessa ouvir sobre teu dia
e ver que tudo que tens para oferecer
é tão vazio e frio.
Quando bateres em minha porta em
uma manha fria de domingo
como uma daquelas testemunhas de
jeová não terá nada mais que um
punhado de indiferença e uma
pontuda
rejeição.
Você e as da sua laia.

domingo, 7 de julho de 2013

Tempo

Todos esses homens e mulheres
geniais em sua essência,
primorosos, 
morreram sozinhos
contemplando o passar do tempo,
encarando paredes frias,
seus reflexos em telas de tv.
Eu me pergunto quanto tempo mais posso aguentar,
se uma noite ou duas
talvez,
o relógio ri com escarnio de mim
eu posso tirar suas malditas pilhas
lança-lo contra a parede
mas o tempo não iria parar.
O sono me massacra com sua ausência,
me entristece quando presente com os
sonhos
que traz,
presente
ou
não
o despertador
desperta dor.
E tudo se
repete.
E eu penso em todos os homens e mulheres
fascinantes em sua essência primorosa
encantadores em suas individualidades
que perderam no jogo do tempo.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Futebol

Ah, o doce circo do futebol
fazia frio mas meu sangue fervia
não sentia o sofrido joelho esquerdo,
estava desajeitado
no ataque
bastante deslocado no setor
defensivo.
O meio de campo era meu
era soberano na
transição de defesa e ataque
fazia bem o meio
esquerda,
direita
corria e tentava recompor.
A bola flutuava rente ao chão
eu procurava pés mais habilidosos
os rapazes mais fortes
para fazer o pivô.
Fiz uma inversão perfeita de uma
ponta para a outra
“eita porra” foi o que disseram,
mas o atacante finalizou mal.
Por 4 vezes eu balancei as
redes,
deus quão boa é a sensação.
Dois tentos de direita
dois de canhota
tenho uma boa canhota
pego firme e bato colocado
pedalo e corto naturalmente
para o pé esquerdo
isso confunde o marcador,
não espera-se isso dos
destros.
Era o fim da brincadeira
os refletores iluminavam o show
e os adversários eram implacáveis,
quebravam-me,
eu levantava, isso não me importa
quanto mais bate
mais eu
gosto.
Do outro lado da marginal o
navio negreiro passava sobre os
trilhos,
lotado,
mas por uma hora eu não queria pensar
na vida dura do proletariado,
durante essa hora
eu só queria o circo.

Gol.