Retweet

Posts Recentes

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

céu sem estrelas.

Eu estava prestes a terminar o meu
serviço
trabalhando forte no seu rabo
puxando seu cabelo ruivo
estampando galáxias e
hematomas na sua pele branca
demais.
Sempre que termino uma
foda me sinto ridículo
sexo é superestimado
mais uma busca
desesperada por
uma sensação
temporária.
Precisamos nos lembrar
constantemente que estamos
vivos
por isso nós nos
drogamos
transamos
mutilamos
ou
escrevemos.
Quando você foi embora não foi diferente
não me importei
acendi um cigarro e fui à janela
outra noite de céu sem estrelas
senti vontade de chorar e na garganta
areia
me senti abjeto

Sempre me questiono se o
quarto andar é alto o suficiente.


Maldito céu sem estrelas.

sábado, 27 de setembro de 2014

Agradeço a deus pela possibilidade
de viver em pecado.

Uma noite dessas eu gostaria
de conhecer um jovem
que não fosse viciado em
se autodepreciar
alguém pronto para ser protagonista
da própria vida.

É impossível a observação direta na
singularidade dos meus olhos.

Meu nome é legião, pois somos
muitos
uma legião de entrincheirados
derrotados
suicidas
deprimidos
solitários

Uma noite dessas eu gostaria
de conhecer um jovem
que não fosse viciado em
se autodepreciar
alguém pronto para ser protagonista
da própria vida.

domingo, 7 de setembro de 2014

Todos estão errados, menos eu.

Todos os dias ateu
todos os dias cristão
todos os dias policia
todos os dias ladrão
Todos os dias viado
todos os dias os que não.
Todos os dias esquerda
todos os dias direita
todos os dias preto
todos os dias branco
Todos os dias aborto
todos os dias nasce uma aberração.
Todos os dias certo
todos os dias errado.
Caralho
eu já estou tão cansado.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Esperar.

As coisas boas levam tempo
e eu odeio esperar.
De espera em espera
a esperança
se desfaz. 

Por não saber esperar
me queimei com o café quente demais.

Você sabe como funciona,
o despertador anuncia o dia,
você abre os olhos, respira fundo 
e pensa no seu corpo dividido em dois 
nos trilhos do trem.

Por não saber esperar
desisti de uma poesia presa na garganta.

As coisas boas levam tempo
e eu odeio esperar.
Você espera e espera
e a vida não te espera
esperar.

Com o sistema nervoso autônomo implodindo,
transava com as pernas da terapeuta
enquanto ela dizia que coisas boas levam tempo,
como à maturação de uma rosa. 
–Eu odeio esperar – Eu disse, roendo as unhas. 


segunda-feira, 26 de maio de 2014

Gravidade

Tem esse sentimento bom que
eu resolvi chamar de universo,
um sentimento em expansão.
Hoje eu te quero em 10 dimensões,
mesmo quando você ri do meu sotaque
imitando tudo que eu falo.
O estado de plenitude e equilíbrio psíquico,
vulgo felicidade,
é um ovo lançado para o alto, quanto mais alto
mais feliz,
a depressão é a gravidade e o chão eu chamo
de realidade. Você sabe como acontece.
Eterna disforia, eterno quase.
Sinto calor na medula dos ossos.
Sinto o velho frio que corta entre as costelas.
Você trouxe esse sentimento bom,
esse sentimento que esta em expansão,
no seu sorriso parece tão fácil que me faz
pensar que todo esse tempo eu fui tolo,
infeliz porque quis.
Mas depois da euforia vem à disforia,
depois da expansão vem à retração
depois do voo vem à queda.
Por isso hoje vou te foder como nunca
com meu pau enorme,
te escrever algo que você nunca vai ler,
te deixar no portão da sua casa e
não me importar quando tudo virar
cinzas.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Quem determina o vencedor.

Tinha esse cara morto certa vez,
no chão com os pés abertos.
O sangue era viscoso e parecia quente,
sua mãe o segurava nos braços
se sujando no sangue
“Meu filho, meu filho” gritava,
velha porca.
Lesões por ação perfuro contundente
no rosto e no peito, múltiplas,
do jeito que acontece com gente boazinha.
O que sobrou da cara dele parecia sorrir.
De certa forma ele estava em paz.
Eu, tinha que trabalhar, duas faturas
para pagar, nenhum dinheiro 
ou mulher.
Não que fosse uma competição
Mas de algum modo,
sentia que aquele sujeito
estava me vencendo.

sábado, 26 de abril de 2014

Poeta com a barra do google aberta.

Parecer interessante é simples, o grande desafio é manter-se assim.
Muitas pessoas são interessantes no inicio, mas o desgaste é natural,
quando elas chegam mostram apenas o que querem que você veja.
Com aumento da intimidade é que o show termina, e aquela coisa especial
que você projetou vai se desfazendo como um castelo de areia na tempestade.
Pessoas são como musica, como aquele disco novo que você ouve tanto que enjoa.
Nunca conheci alguém “Sometimes” city and colour.
Todos são tão single de artista pop fabricados pela gravadora, sabe?
Daqueles que na decadência inevitável vão fazer filme pornô ou viciar em cocaína.

É mais fácil parecer interessante por escrito, você sabe o que eu quero dizer,
olha pra mim.  É simples esconder as inseguranças atrás da caneta e do teclado,
é fácil parecer poeta com a barra do google aberta.
Mas quando os olhares se chocam a coisa sai do controle. Salve-se quem puder.
Odeio que olhem para mim, que falem comigo, pensem em mim. Odeio disputar
atenção. Não tolero gente bêbada, dentes arreganhados em porta de bar, fumaça
de cigarros e musica mais alta que minha voz. Uma foda não vale isso tudo.
Tem alguma coisa errada na espécie, não sei se deus nos fez de barro ou merda,
se os aliens vieram aqui e foderam com os macacos.
Adoraria me esconder embaixo de uma pedra e esperar a existência passar.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Jesus cristo em posição fetal chorando em um quarto de odor acre.

Estar vivo é grotesco.
É indecente e imoral.
Quando você olha para o céu
enxerga o passado.
Uma estrela que brilha e já morreu.
Eu.
Anos luz.
Anos treva.
Jesus cristo em posição fetal
chorando em um quarto de odor acre.
E você tem que viver com toda aquela
frustração,
Freud realmente estava certo,
filho da puta.
Sua vida é seu poema,
só tem real sentido pra você,
soa aleatório pra quem vê.
Mas mesmo sem sentido ainda pode ser bonito.
Tanto quanto ridículo.


sábado, 29 de março de 2014

Cagando e fodendo.

Formamos uma multidão
marchando em sincronia
com nossos ombros caídos
carregando o peso da culpa
e da vergonha.
Almas entrincheiradas atrás
das cavidades oculares
almas derrotadas
sem esperança de reforços.
Somos os homens taciturnos
escondidos pela luz fraca
de um puteiro barato
e fumaça de cigarros
vila rica
e latas de cerveja.
Conversando sobre futebol
dinheiro, religião, filhos, carros
 e tudo  que não tem a mínima
importância.
Os grandes homens morreram
Jesus cristo, Hitler, Mandela
e Bukowski.
E agora nós andamos por essa terra
cagando e fodendo e respirando
o ar que não merecemos. 

quinta-feira, 27 de março de 2014

Lapsos

Minha vida sempre teve essa cara
de telecurso 2000 de madrugada
mas no alvorecer de todo dia
eu nunca aprendi nada. 

Minha vida sempre teve essa aparência
de solidão, distúrbio, demência
da minha solidão eu tenho consciência
logo tenho autoconsciência da consciência
dessa minha solidão. 

Minha vida sempre foi desse jeito
assimétrico encarando o espelho
e projetando uma fantasia de algo
perfeito.

Minha vida sempre foi tão discreta
quando me for não deixo nem
imagem de poeta, pois vivi de lampejos
por uma série de lapsos comprimi a
carótida no laço.
                             

segunda-feira, 24 de março de 2014

Vai ver

É o jeito como se senta e cruza as pernas
ou o jeito como solta a fumaça de um dunhill
pelo canto da boca.
Talvez seja essa cara de quem não dorme bem nunca,
essa autoconfiança,
olhando todos com indiferença como se soubesse
de algo que nós nunca vamos saber.
E como bebe esse lixo alcoólico sem fazer careta,
e passa por mim como se eu fosse
um monte de merda de cachorro na calçada.
Deve ser esse jeito de quem é solitária
mas nem liga.
Pode ser esse rabo simétrico dentro do micro short.
Vai ver é o sangramento nasal de quem cheirou pó
uma madrugada inteira.
Acho que é essa energia autodestrutiva que
emana do teu olhar.

Não sei.

Existe qualquer coisa no teu caos que me da
um tesão do caralho.





Verdade

Um sorriso de mentira
um bom dia de mentira
um poema de mentira
uma alegria de mentira
dissimulado.

Uma confiança de mentira
um ego de mentira
um interesse de mentira
uma foda de mentira
pobre coitado.

Um orgasmo de mentira
um trago de mentira
um sono de mentira
uma alma  de mentira
desequilibrado.

Uma amizade de mentira
um parabéns de mentira
um presente de mentira
um esforço de mentira
desajustado.

Um suicídio de mentira
um renascimento de mentira
uma fé de mentira
uma vida de mentira.
Ao cadafalso.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Van gogh abriu um buraco no peito
 “A tristeza nunca vai embora” Ele disse
Hemingway estourou os miolos
os grandes não conseguiram quem diabo sou
essa sombra tremula

ausência parcial de luz
meu Tyler Durden sorri

ele é tão forte
uma projeção de tudo que sou incapaz
eu o alimento
na terra fantasiosa em meu interior
esse mundo dos sonhos que é como eu quero que seja
não como é
assim tão feio e cheio de armadilhas
que me da tanto medo
eu sou Alice bêbada de poção do encolhimento
faminta e sem bolo

sem luz no fim do túnel
que sempre se projeta contra os trilhos do trem.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Meu pacto com a solidão é um pacto de sangue,
uma eternidade ou duas se passaram desde então.
Pisei cem flores brancas e praguejei contra os deuses.
Fodi os rabos mais tristes e drogados que encontrei,
encantei mil víboras, mil e uma conheceram desencanto.

Algo em mim se quebrou e não tem conserto.

Incontáveis noites em claro pedindo socorro, gritei,
mas não verti uma lagrima, essas secaram cedo.
Acorrentei-me em uma rotina que se repetia mais
que a sina solitária da família Buendia.
Tornei-me taciturno e só notei quando por dias
as palavras que proferia cabiam nos dedos de uma mão.

Pobre diabo desagregador.

Abracei a melancolia e não vi nenhum charme.
Os bons diálogos só existem nos livros, veja bem,
notei que ninguém tem nada interessante para dizer,
ou coisa que o valha.
Deixei de ser homem e virei um saco de batatas.

E mais nada.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Do prazer e da mentira.

Aristóteles uma vez disse: O sábio busca a ausência de sofrimento, e não o prazer. Babaca do caralho. É fácil parecer muito esperto quando tudo que se tem que fazer é sentar seu cu em uma pedra, beber vinho e cagar regras. Aristóteles nunca pegou busão 6:00 da manha em São Paulo para dar 8 ou 12 horas diárias de vida por valores irrisórios de papel moeda. É assim que eles fazem, nos dão o suficiente para que não morramos de fome e possamos voltar no dia seguinte, cada vez mais desalmados e sem ambição de ascensão social. Enquanto eles cheiram cocaína colombiana no rabo de uma menina de 16 anos em um hiate de 2 milhões, enquanto suas esposas fúteis gastam em uma bolsa o que levamos dois anos de exploração para conseguir.
"A culpa é do povo que não sabe votar" eles dizem. Sinto pena de quem acredita na politica. De certo é tão idiota o pobre coitado quanto os que acreditam na policia ou em deus. Cada pedaço desse chão tem um dono, a politica é só um show de marionetes, todos os vermes engravatados servem a um grileiro, especulador imobiliário branco dono de uma fortuna construída com o sangue do genocídio de índios e negros no passado. Prazer é ausência de sofrimento. Alegria é ausência de sofrimento e vazio. Liberdade é uma mentira. Deus é inimigo.  
Veja bem, você abre o jornal e vê pessoas se explodindo e jogando aviões em prédios por bem menos que isso. Você abre o jornal e vê que seu time perdeu o quarto jogo seguido, e seu atacante recebe 700 mil reais mensais. Você chega de mais um dia de trabalho e toma uma dose de cachaça pura, por prazer. Chega em casa e espanca sua mulher, abusa sexualmente de sua filha de 5 anos e vai dormir. Existem mil formas de sentir prazer, e assim se ausentar do sofrimento. Mas sejamos sinceros, o meio mais comum de alcançar prazer, é impondo sofrimento em outro alguém. 
O cão dos diabos.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Nada

O que me falta é o combustível, creio eu. Cheguei nessa conclusão deitado assistindo mais um dia de minha vida torna-se menos um dia, tão sem brilho e razão quanto todos os outros. O que me falta é querer, veja bem, se tivesse algo lá fora que eu realmente quisesse eu teria um motivo plausível para lutar. Falta-me ambição de certa forma, falta também à vontade das coisas mais básicas. Entretanto, se querer é sofrer, algo eu quero, pois sei que sofro. Essa angustia fria que dilacera entre as costelas significa algo, sei que sim. Sinto-me como um impala 67 empoeirado e coberto por caixas em uma garagem de uma casa abandonada cujo dono já morreu.  Eu poderia fazer o diabo, só iria precisar de uma boa limpeza, um tanque cheio e talvez rodas novas. Então quem sabe se um dia algo queimar meu peito, me fazer desejar com ardor de mil sóis, talvez eu saia por aquela porta e faça algo mais que apenas assistir a vida esvair-se me condenando pelas coisas que nunca fiz. Talvez eu chute deus no rabo e beije aquela bela garota. Talvez eu cometa homicídios em série. Talvez eu simplesmente exploda meus miolos com uma 380. 

Sei que tudo é melhor que nada.
Só não sei se quero ou o que quero.

Santo deus, algo que me faça mover, sabe? 

sábado, 11 de janeiro de 2014

Cansei, 
desapeguei,
deixa pra lá.

Não importa se o ponto de não retorno
já passou, se eu quero voltar, eu volto!
Veja bem, essa não é a primeira vez
que tiro leite de pedra e ressurjo das cinzas.

Saturou,
enjoou,
Perdeu a graça.

Todas acham que são musas inspiradoras,
as palavras apenas dançam querida e não
é você que toca a canção, escolho o disco,
volume, e sou eu que bato as teclas, oras.
Não se chama delírios cotidianos atoa.

Defasou,
Entediou,
virou piada.

Às vezes até vejo graça, quer dizer, fazer
piada das próprias desgraças e rir para não
chorar. Holden Caulfield e Henry Chinaski
trocando socos na saída da escola.
Maldito seja Holden Caulfield, eu repito.

Cruzado,
Gancho,
Holden nocauteado.

Não tenho interesse em álcool, tão pouco
vejo charme no decadente, você quer ser
maldito, não quer? Acha-se fodão, não é.
As horas são uma mentira, os dias, meses
o ano também é. Todo dia é um dia só.
Ano que vem não vai ser melhor, se tiver
que mudar algo, faça isso agora. Agora.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Não quis magoar.

Não é poesia amor
é desespero.
Guardar segredos,
cansei do mar
e de amar
sem poder contar.

É esse mundo querida,
me suga a vida
essa maldade que preenche
as ruas. Doentes.
Assistindo sobre homicídios
na tv, durante o jantar.

Então perdoa benzinho, 
às vezes piro, 
preciso extrapolar.
Não sou muito esperto,
nem sou poeta,
então peco,

ao me expressar.